Blog

Atividade Física e Qualidade de Vida!

 

 

Nunca se falou tanto em qualidade de vida e saúde como nos últimos tempos. O que antes era apenas motivo de preocupação ou modismo, hoje tornou-se necessidade. Para nós, educadores, é nítido o aumento desta consciência. Já não era sem tempo. Pois, o homem atualmente é submetido a uma quantidade avassaladora de pressões e responsabilidades. Isso é apenas uma das conseqüências desse tempo de novas tecnologias e economia globalizada. A evolução permitiu o desenvolvimento, gerando no nosso cotidiano mais conforto e comodidades. A tecnologia facilita o dia-a-dia, mas também nos prende a afazeres que roubam o nosso tempo, diminuindo ou eliminando o lazer e a atividade física. Esta ausência de atividade física trouxe aumento do estresse e do sedentarismo, principais inimigos da vida saudável. Diante desse quadro crônico moderno, só nos resta trazer o homem de volta a sua origem, resgatando o movimento. Todas as descobertas da ciência e da fisiologia humana nos últimos anos levam a aquilo que eu já dizia na década de 60: “A máquina humana é a única que se aprimora com o uso e se atrofia com o desuso”.

O exercício físico é o principal mecanismo para melhorar a nossa saúde e qualidade de vida. Realizado de forma moderada e regular, é um santo remédio. Depende unicamente de nossa força de vontade e disciplina para que possamos restaurar este hábito em nossas vidas. O hábito se forma com a prática de exercícios até que o corpo passe a solicitar a mente, incorporando o movimento e substituindo o sedentarismo.

É lógico que no início é necessário se impor uma cobrança para realizar a atividade física pelo menos três vezes por semana.

Relação riscos/benefícios da atividade física

Os malefícios do sedentarismo superam em muito as eventuais complicações decorrentes da prática de exercícios físicos, ou seja, há uma interessante relação risco/benefício.

A íntima relação entre ventilação, circulação e metabolismo durante o exercício é clara:

  • Os pulmões recebem mais ar e difundem mais oxigênio no sangue;
  • O coração aumenta de tamanho e pode bombear mais sangue por batimento e bate mais lentamente em repouso ou durante o exercício;
  • Os músculos que utilizam o oxigênio para queimar combustível e produzir energia, adquirem tônus e podem queimar mais combustível, especialmente gordura.

As controvérsias conceituais quanto aos benefícios de saúde que podem ser obtidos pela prática do exercício físico devem ser levadas em conta pelo profissional de saúde. Há que se considerar absolutamente desmotivadora a recomendação de correr 8 ou 10 km,  3 ou 6 vezes por semana, para que os resultados sejam mais significativos.

 

 

 

Incentive a prática de atividade física

A medicina e a ciência do esporte, com seus médicos, preparadores físicos, técnicos esportivos, nutricionistas, fisioterapeutas e psicólogos, devem combater o sedentarismo. É preciso conscientizar as pessoas a esse respeito e estimular o incremento da atividade física, através de atividades formais e informais. Os governos devem considerar a atividade física como questão fundamental de saúde pública. As empresas devem contribuir para a redução da incidência do sedentarismo e a massificação da prática orientada de exercícios físicos, principalmente através dos serviços de saúde ocupacional.

A implantação de programas de Qualidade de Vida no Trabalho não deverá existir apenas para atender a obrigações legais ou por rotinas internas. É imprescindível exigir que o direito à qualidade de vida seja socializado. A prática de exercícios físicos regulares pode combater epidemias de doenças cardiovasculares, obesidade e o aumento dos gastos com saúde pública.

As mais recentes recomendações de saúde pública de se acumular cinco sessões de 30 minutos de atividades moderadas por um dia, pode dar um implemento na capacidade física da maioria da população considerando a alta prevalência populacional de sedentarismo e a dificuldade de mudança radical do hábito. Uma maneira de atingir esse padrão é a caminhada acelerada de 3,2 km por dia.

A aptidão física, relacionada ao desempenho motor, deverá ser direcionada aos atletas, e relacionada à saúde, a toda população. A adoção de um estilo de vida mais ativo trará enorme benefício para a saúde publica e o bem-estar individual.

Um estilo de vida mais ativo não requer um programa de exercícios vigorosos e padronizados. Ao contrário, pequenas alterações na rotina diária que aumentam a atividade física diária permitem que os indivíduos reduzam os riscos de doenças crônicas e podem contribuir para melhorar a qualidade de vida. O sedentarismo não parece ser a única causa de qualquer doença importante, mas um estilo de vida fisicamente ativo melhora o estado geral de saúde e retarda muitos dos distúrbios funcionais que ocorrem frequentemente com o envelhecimento. A maioria dos adultos não é ativa o suficiente para assimilar os benefícios para a sua saúde.

Faça, promova e incentive a atividade física. Invista em bem-estar!